quinta-feira, 24 de maio de 2018

Portadora de câncer raro encontra possibilidade de cura

                                        
A dona de casa Carmela Gurgel, 41 anos, há cinco anos foi diagnostica com Leiomiossarcoma de Retroperitônio, um tipo de câncer raro e agressivo derivado de células musculares lisas que pode se originar em qualquer parte do corpo, geralmente no útero, estômago, intestino delgado, abdômen ou outros tecidos moles.
O laudo constatou também metástase no fígado e que não seria possível operar, pois o tumor estava muito próximo da veia cava do coração, o que poderia ocasionar sua morte na sala de cirurgia.
Desde a descoberta, vem tendo sua sobrevida através do tratamento de quimioterapia para a metástase do fígado, elevadas doses de morfina para amenizar suas aflições e muita vontade de viver. Há alguns meses, no entanto, com as dores mais intensas, foi descoberto que a metástase havia dobrado de tamanho.
O único especialista em Sarcoma no Brasil atua em São Paulo, no Hospital da Beneficência Portuguesa, para onde ela viaja periodicamente dando continuidade ao tratamento. Na última visita foi descoberta a existência de um procedimento chamado Radioterapia Estereotática Hipofracionada, tratamento com uma técnica nova e altamente complexa, que pode “matar” essa metástase em crescimento, mas que não é oferecido por nenhum plano de saúde ou pelo SUS.
“Uma boa notícia porque se tudo ocorrer bem no fígado é possível fazer esse tratamento também no tumor principal”, disse radiante Carmela. O tratamento inicial terá duração de duas semanas, incluindo tomografia de planejamento, ficando o custo para todo o procedimento em torno de R$ 40 mil. Diante da situação, amigos e familiares criaram a Campanha #TodosJuntosPorCarmelapara custear o procedimento o mais rápido possível.
 “A vida é uma vela e com ela é possível fazer uma grande festa. Com a minha vela faço uma festa enorme que ilumina muita gente e também me ilumina a todo segundo. Vou lutar, é a única opção que tenho”, disse ela.