quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Senadora Ana Amélia aceita ser vice de Alckmin na disputa pelo Planalto

Resultado de imagem para Ana Amélia e Alckmin

A senadora gaúcha Ana Amélia (PP), aceitou na tarde desta quinta-feira (2) ser vice na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB) para disputa pelo Palácio do Planalto.
A informação foi confirmada à Folha de S.Paulo por lideranças de dois partidos que integram a aliança do PSDB. Ela havia sido procurada por Alckmin na quarta (1º) e prometido uma resposta ainda nesta quinta.
Além da questão de saúde -foi internada nesta semana com uma crise de hipertensão-, a gaúcha analisava questões políticas no Rio Grande do Sul, onde integra a chapa do deputado Luiz Carlos Heinze (PP), que disputará o governo do estado e faz palanque para o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).
Até o início desta semana, Ana Amélia descartava ser vice na chapa de Alckmin, mas disse que, agora, analisa a relevância do posto.
Ao longo do dia, o pré-candidato do PSDB e representantes do centrão -DEM, PP, PR, PRB e SD- negaram repetidamente que tivessem feito o convite à gaúcha. Depois de ser rejeitado pelo empresário Josué Alencar (PR), Alckmin e seus aliados não queriam sofrer o desgaste de uma nova recusa.
O ex-governador de São Paulo se esforçava para chegar à convenção de seu partido, no sábado (4), já com o posto de vice definido. Pela manhã, Ana Amélia disse que só acetaria a vaga na chapa do PSDB se pudesse manter sua autonomia em um eventual governo.
"Em qualquer lugar que eu estiver, se eu não for independente, se eu não pensar e agir com as minhas convicções, não serve para mim", afirmou a senadora.
Nascida em Lagoa Vermelha (RS) e jornalista durante cerca de 40 anos, ela termina em 2018 seu primeiro mandato e estava empenhada em tentar a reeleição. Ao longo de seus oito anos no Senado, Ana Amélia apresentou 91 projetos de lei e 14 PECs (propostas de emenda à Constituição). Seis propostas apresentadas ou relatadas por ela se tornaram lei.
O ingresso da senadora na chapa de Alckmin bagunça o cenário da disputa pelo governo do Rio Grande do Sul. Bem colocada nas pesquisas para reeleição, Ana Amélia dava força à candidatura de Heinze.
Além disso, os gaúchos terão que tentar uma composição entre PP e PSDB, já que os tucanos estão na disputa com o ex-prefeito de Pelotas Eduardo Leite.