sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Bolsonaro libertou médicos cubanos da semiescravidão

Bolsonaro exigiu que cubanos recebessem salário integral























Foto: José Lucena/Futura Press/Estadão


Os suspeitos de sempre intensificaram a gritaria contra Jair Bolsonaro após Cuba abandonar o programa Mais Médicos do Ministério da Saúde. O presidente eleito seria o responsável pela saída dos cubanos ao impor mudanças nas relações de trabalho deles no Brasil.

Ora, mas o que de tão estapafúrdio exigiu Bolsonaro? Em sua conta no Twitter, ele disse que condicionou a continuação do programa a três itens: 1 - aplicação de testes de capacidade; 2 - salário integral aos profissionais cubanos; 3 - liberdade para trazer suas famílias.

Quem poderia se opor a isso? Quem acha justo que um trabalhador seja tungado por um governo déspota? Quem seria contra a convivência de um pai com seus filhos? Com certeza, os que não aceitam que o País, como é natural em qualquer regime democrático, mudou o pêndulo para a direita. Mas é querer demais dessa gente que ainda reza por uma cartilha do século passado, com um conceito extravagante de democracia. 

Por ela, Cuba não é uma ditadura, assim como Maduro é um grande estadista. Na verdade, por mais que doa no coração das aves agourentas, o discurso de Bolsonaro sobre o tema tem caráter humanitário. Por força de um convênio assinado por dois governos (um abusivo, outro conivente), 8.332 médicos cubanos trabalham em território brasileiro em condições análogas à semiescravidão.

Matéria publicada no R7 revela que o drama dos cubanos pode ser ainda maior. Cento e cinquenta profissionais que deixaram o Mais Médicos tentam na Justiça obter o direito de trabalhar no Brasil ganhando o salário integral. Um deles, identificado apenas pela inicial R, afirmou que "não achava justo ficarmos apenas com 25% do salário. Além disso, casei com uma brasileira e tive um filho. Queria continuar aqui”. Ou seja, ao contrário do que se propaga por aí, ao invés de 30% do salário, sobram apenas 25% dos R$ 11.865,50 pagos mensalmente.

É humilhante. Por isso, tantos desertaram. Por isso, tantos querem permanecer aqui e lutam para receber o salário que lhes é devido. Pelo colapso da saúde pública nacional, os médicos cubanos tornaram-se fundamentais para o atendimento de 28 milhões de brasileiros em 2.857 municípios espalhados por todo o país, notadamente, nos lugares menos favorecidos pela ação do Estado.

A presença deles entre nós evita o agravamento de uma situação que já é grave, mas que sejam tratados com a dignidade que merecem. Não como escravos. 

com informações de R7.com