terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Após 'entender que errou', MEC volta atrás sobre hino nacional



 Foto: Agência Brasil

O Ministério da Educação (MEC) afirmou por meio de Ricardo Vélez, ministro da pasta, que determinou a retirada do e-mail enviado na segunda-feira (25) com instruções para escolas de todo País pedindo que crianças sejam gravadas após serem perfiladas para cantar o hino.
O ministro afirmou que “percebeu o erro” de inserir o slogan da campanha de Jair Bolsonaro, “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”, ao final do e-mail. Por conta das críticas, ele preferiu voltar atrás.
“Eu percebi o erro. Tirei essa frase (com slogan do governo). Tirei a parte correspondente a filmar crianças sem a autorização dos pais. Evidentemente se alguma coisa for publicada será dentro da lei, com a autorização dos pais. Saiu hoje (terça) de circulação”, afirmou ele.
Entenda o caso
“Brasileiros! Vamos saudar o Brasil dos novos tempos e celebrar a educação responsável e de qualidade a ser desenvolvida na nossa escola pelos professores, em benefício de você, alunos, que constituem a nova geração. Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!”, diz o texto.
Também foi pedido que estes momentos sejam gravados e enviados para o governo, especificando inclusive o tamanho máximo do arquivo.
A mensagem deve conter o nome da escola, o número de alunos, de professores e de funcionários. Escolas particulares também receberam o pedido.
Por meio de nota, o MEC informou que a atividade faz parte da “política de incentivo à valorização dos símbolos nacionais”.
Segundo a pasta, o e-mail não era uma ordem, mas uma orientação. “Para os diretores que desejarem atender voluntariamente o pedido do ministro, a mensagem também solicita que um representante da escola filme (com aparelho celular) trechos curtos da leitura da carta e da execução do hino”, diz a nota.

com informações de yahoonotícias