quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Maquinista morre depois de 7 horas de resgate, no Rio

ResgateMaquinista
Foto: Dikran Junior/Futura Press
Depois de uma operação de sete horas de trabalho de resgate, o maquinista de um dos trens que colidiu com outro, nesta quarta-feira (27), no Rio, não resistiu e morreu. A informação foi passada pelo Corpo de Bombeiros e confirmada pela GloboNews.
Logo após ele ser retirado das ferragens, por volta das 14h30, os bombeiros chegaram a dar início ao procedimento de massagem cardíaca. Ele foi levado para o hospital Souza Aguiar, no centro da cidade, para onde foram levados outros sete feridos no acidente, mas não resistiu aos ferimentos.
Um oitavo ferido foi levado ao hospital Salgado Filho. Todos os feridos já receberam alta.
Inicialmente, a SuperVia, empresa responsável pelo sistema ferroviário no local, havia informado que um dos trens estava sem passageiros, mas corrigiu a informação ao confirmar que as duas composições envolvidas no acidente transportavam passageiros.
 "Lamentamos profundamente e estamos prestando todo o suporte para resolução o mais rápido possível", escreveu a empresa em uma rede social.
Segundo um comunicado da SuperVia, os trens do ramal Deodoro estão com sua circulação prejudicada, com intervalos irregulares e sem parada na estação Praça da Bandeira. A empresa disse ainda que tem informado a situação do sistema aos passageiros por meio de seus canais de comunicação nas estações.
A Agetransp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários e Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro) informou por meio de nota que vai investigar as circunstâncias do acidente.
A SuperVia também disse que abriu uma sindicância para apurar as falhas que resultaram na colisão.
Com informações de FolhaPress