terça-feira, 19 de março de 2019

Segurança agride deficiente físico em loja do Carrefour em SP

  Foto: Guilherme Rodrigues/Futura Press
Um vídeo divulgado pelo site G1 na última segunda-feira, 18, mostra um deficiente sendo agredido por um segurança da rede de supermercados Carrefour em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. O caso aconteceu no dia 20 de outubro do ano passado. De acordo com Luís Carlos Gomes, o homem que foi agredido, ele tomou uma lata de cerveja na loja e pretendia pagar pelo item. 
Ele conta que antes disso foi surpreendido pelo gerente da loja e por um segurança, que o encurralaram no banheiro e o agrediram. Gomes, que é deficiente físico e negro, acusa a rede de racismo e discriminação. Ele pede uma indenização de R$ 200 mil.

Entenda

No processo, os advogados do homem explicam que ele estava fazendo compras na noite da agressão quando “pelo calor excessivo que fazia naquela noite, resolveu consumir uma lata de cerveja do pacote que estava comprando (sempre carregando consigo a unidade vazia)”. O gerente, segundo eles, o “intimidou, ofendeu, injuriou e caluniou de forma ameaçadora, dizendo ‘Seu vagabundo, você vai ter que pagar por isso, seu ladrão!”. Gomes teria mostrado ao gerente que tinha dinheiro para pagar pelo item e seguiu fazendo compras.
O funcionário do supermercado e o segurança “passaram a intimidar o requerente, continuando a persegui-lo, injuriá-lo e ameaçá-lo”.
Imagens mostram o homem sendo agredido (Reprodução/G1)
Ao caminhar até o banheiro para se recompor, ele foi seguido pelos dois homens e agredido com socos, chutes e um “mata-leão”. Luís conta que foi arrastado pela esteira rolante e jogado no chão do estacionamento, onde foi ameaçado. Testemunhas chegaram a ligar para a polícia, que chegou ao local 30 minutos depois.

Carrefour

Em nota, o Carrefour explicou que “sente profundamente pela situação a qual nosso cliente foi submetido e informa que, logo após rigorosa apuração, os colaboradores envolvidos foram desligados”. A rede afirma ainda que “repudia veementemente qualquer tipo de violência e reforça que, constantemente, realiza treinamentos e reorienta suas equipes, a partir da prática do respeito que exige dos seus colaboradores e prestadores de serviço. A empresa esclarece ainda que permanece colaborando com as investigações.”