sábado, 20 de abril de 2019

Prefeitura de Parnamirim forma grupo de trabalho para discutir projeto de Centro Cultural


A Secretária Municipal de Planejamento, Finanças, Turismo e Desenvolvimento Econômico (Seplaf) realizou a primeira reunião do grupo de trabalho envolvido no projeto do Centro Cultural Trampolim da Vitória, que vai unir atrações históricas, culturais e entretenimento, potencializando o turismo e difundindo a história de Parnamirim. 
O grupo é formado por representantes da Força Aérea Brasileira (FAB), do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN (Fecomércio), do Governo do Estado, e da Fundação Rampa.
O centro que custará, inicialmente em torno de R$ 8 milhões, ocupará quatro espaços da Base Oeste da Ala 10, incluindo a área em que funcionava o antigo aeroporto Augusto Severo.
Na área em que funcionava o antigo terminal de passageiros funcionará um pavilhão de exposições, com mostras temáticas e exposições de aviões utilizados na época da 2ª Guerra Mundial. 
Outro espaço utilizado será o Campo da Aeropostale/Air France, que teve suas origens no ano de 1927, quando aqui chegou Paul Vachet afim de instalar um aeródromo para a empresa francesa de aviação, dando início assim a história de Parnamirim.
Além deste espaço será utilizado ainda a Estação da Lati, fundado em 1939 quando a Linee Aeree Transcontinentali Italiani (Linhas Aéreas Transcontinentais Italianas) construiu seu primeiro Hangarv para ligação aérea das Américas com a Europa, em substituição aos alemães envolvidos na 2ª Guerra Mundial. 
Serão utilizados ainda três edificações da Base Oeste da Ala 10, construídas originalmente pela aeronáutica, a partir de 1942, com a criação da Base Aérea de Natal.
Para João Hélio, diretor técnico do Sebrae/RN, a iniciativa do município é muito importante não só para a economia como geradora de emprego e renda, mas também porque coincide com a iniciativa do próprio Sebrae, que tem desenvolvido um projeto para o fomento do turismo focado não somente no nicho sol e mar, mas também no resgate da história, que foi a participação do território potiguar durante a 2ª Guerra Mundial.