segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Claro se prepara para caminhar sem a marca Net, que será extinta

Foto: Reprodução


A operadora de telefonia celular Claro começou mês passado a comunicar aos consumidores que concentrará sob sua marca os serviços do grupo com a operadora de TV por assinatura NET.

A mudança acontece para a NET após mais de 25 anos de atuação, 15 dos quais, sob o comando do grupo mexicano América Móvil, gigante de Carlos Slim ao qual pertence também a Claro.


A tarefa de extinção do nome da NET, com foco único no da Claro, é feito por etapas e deve levar meses. À Estadão Conteúdo, o diretor de marketing da Claro, Márcio Carvalho, ponderou que a decisão representa não apenas economia de custos ao concentrar investimentos em uma só marca, como teria se mostrado viável dada a transformação nos hábitos de consumo de conteúdo – que tem migrado da TV por assinatura para dispositivos móveis.

Também a chegada de serviços de streaming que se relacionam diretamente com o consumidor – entre os quais, Netflix, HBO Go e Amazon Prime Video – fez eliminar, em alguns casos, a figura do “atravessador” entre produtor de conteúdo.

Há um contraste ainda em relação ao desempenho de mercado da telefonia celular – que cresce, especialmente pela demanda por banda larga móvel – e da TV por assinatura, que tem perdido clientes: foram quase 2 milhões a menos entre o começo de 2016 e o fim do primeiro semestre de 2019, de acordo com a consultoria Teleco.

A Claro usou o serviço Blast, do Google, para se comunicar com o máximo de clientes de uma única vez. Ampliando a frequência dos anúncios, que chegaram a aparecer para os usuários até oit vezes em um só dia, a empresa combinou anúncios em formato display, vídeo e no YouTube. Serão feitos também anúncios em TV aberta.

com nformações de yahoonotícias