quinta-feira, 12 de março de 2020

Jair Bolsonaro faz teste para coronavírus após secretário estar infectado

| |
Resultados dos exames do presidente deverão sair na sexta-feira (Foto: Evaristo Sá/AFP/Getty Images)
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez testes para verificar se foi infectado pelo novo coronavírus após a confirmação, nesta quinta-feira (12), de que o chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação), Fábio Wajngarten, testou positivo para a covid-19.
Os resultados dos exames do presidente sairão somente na sexta-feira (13). O receio da equipe médica que acompanha Bolsonaro é de que ele seja assintomático, podendo estar infectado sem apresentar os sintomas tradicionais, segundo informou o jornal O Estado de São Paulo.
Até a divulgação dos resultados, a recomendação passada para Bolsonaro é de permanecer no Palácio da Alvorada. Bolsonaro completará 65 anos no próximo dia 21 de março. Outro integrante da comitiva, general Augusto Heleno, ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), com 72 anos, também realizou testes para o covid-19.
Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar
Wajngarten estava na mesma comitiva do presidente que viajou para Miami, na Flórida, na semana passada e começou a apresentar os sintomas após o retorno ao Brasil. O secretário esteve próximo de Bolsonaro durante os eventos em sua agenda nos Estados Unidos.
O chefe da Secom realizou os exames no Hospital Israelita Albert Einstein na quarta, e teve a prova e contraprova acusando a contaminação pelo coronavírus. A confirmação também foi passada por sua esposa, Sophie Wajngarten, em um comunicado no grupo de WhatsApp das mães da escola onde estudam suas filhas.
“Meninas, bom dia: conforme e-mail da escola ontem, meu marido voltou de viagem de Miami ontem e fez o exame de covid que deu positivo”, disse Sophie no grupo.
Eles têm três filhas estudando na escola Red House International School.
Desde a notícia da suspeita de covid-19, Bolsonaro e integrantes de sua comitiva que viajaram junto com Wajngarten estavam sendo monitorados. Entre o final da tarde e início da noite de quarta-feira (11), Bolsonaro e o restante do grupo passaram a receber ligações do gabinete da Presidência pedindo para que tenham atenção caso apareça algum sintoma. Os integrantes eram recomendados a procurar um atendimento em hospital militar em Brasília para realizar exames caso tenham qualquer sintoma.

com informações de yahoonotícias