quarta-feira, 15 de abril de 2020

Datena critica Mandetta: “se eu fosse o presidente, dava uma bica nele”

| |
Datena criticou Mandetta ao fim da entrevista com Sergio Moro. (Foto: Reprodução/TV Bandeirantes/YouTube)
Foto: Reprodução/TV Bandeirantes/YouTube
O apresentador José Luiz Datena, do Brasil Urgente, da Band, aproveitou o fim da entrevista ao vivo com o ministro da Justiça, Sergio Moro, para criticar Luiz Henrique Mandetta, atual ministro da Saúde do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), na tarde desta segunda-feira (13).

Datena falou sobre a entrevista que o ministro concedeu ao Fantástico, da TV Globo, na noite do último domingo (12). “Se ele não está satisfeito, não precisa dar uma entrevista desmerecendo a maior autoridade do país”, afirmou o apresentador da Band.

O apresentador também afirmou que Mandetta fica “chutando a canela” de Bolsonaro ao dar declarações contrárias ao que pensa o presidente a respeito da flexibilização do isolamento.
“Você acha que com a personalidade dele ele já não tinha dado uma bica no Mandetta? Se o Mandetta não chutar a canela dele, ele fica. Mas mesmo chutando a canela do presidente, duvido que tome alguma atitude agora. Se eu sou presidente, dava uma bica nele. Mas eu não sou presidente justamente porque não a tenho a tranquilidade para um momento como esse”.
Por fim, Datena ainda lamentou a fato de Mandetta ter “alfinetado” Bolsonaro durante a entrevista. “Ele tomando esse tipo de atitude, me parece que ele está querendo sair… Parece que ele está querendo ir embora, porque não se esqueça que ele é político também… Não fica legal ele tomar uma atitude e o presidente tomar outra”, disse Datena.
ASSISTA:

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, teria sido orientado a não comparecer na entrevista coletiva realizada no Palácio do Planalto sobre as ações do governo contra o novo coronavírus nesta segunda-feira (13). O motivo do conselho seria justamente sua entrevista dada ao Fantástico, da TV Globo, veiculada no domingo (12).


Mandetta teria recebido um recado de aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) devido a uma repercussão negativa de suas falas à TV Globo. As informações são do jornalista Robson Bonin, publicadas na coluna Radar, da revista Veja.

“Se ele viesse, esse seria o principal tema da coletiva. Então, para não aumentar o negócio, a gente cancelou a vinda dele. Amanhã ele participará normalmente”, disse uma fonte no Palácio do Planalto ao colunista.
com informações de yahoonotícias