sexta-feira, 22 de maio de 2020

Em vídeo de reunião, Bolsonaro fala sobre interferência na PF: 'Se não trocar, troca ministro'

| |
Vazamento de mensagens prejudica governo, avaliam aliados
O vídeo da reunião ministerial divulgada nesta sexta-feira (22) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello, confirma as ameaças feitas pelo presidente Jair Bolsonaro contra o ex-ministro da Justiça Sergio Moro.
“Mas é a putaria o tempo todo pra me atingir, mexendo com a minha família. Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou”, disse o presidente, em relação ao comando da Polícia Federal do Rio de Janeiro.
“Eu não vou esperar foder minha família toda, de sacanagem, ou amigo meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança, da ponta da linha, que pertence a estrutura. Vai trocar! Se não puder, tocar o chefe dele, se não puder trocar o chefe dele, troca o ministro. Não estamos aqui para brincadeira”, continuou
Bolsonaro ainda opinou que era “fácil instaurar uma ditadura no Brasil”. “Um bosta de um prefeito, faz um bosta de um decreto, algema a pessoa”, disse, em referência às restrições de circulação impostas por municípios ou estados.
Segundo o presidente, por isso ele considera essencial armar a população, para evitar que seja instaurada uma ditadura no país. “Se todo mundo tivesse arma, saia todo mundo na rua”, explicou. O presidente Jair Bolsonaro também ofendeu os governadores de São Paulo e Rio de Janeiro.

Críticas à Polícia Federal

Em outro trecho do vídeo, o presidente Jair Bolsonaro reclama do fato de ser surpreendido de certos temas, quando fica sabendo das coisas pela imprensa. Ele faz críticas à Polícia Federal, que afirma não repassar nenhuma informação a ele.
"E não dá pra trabalhar assim. Fica difícil. Por isso, vou interferir! E ponto final, pô! Não é ameaça, não é uma... urna extrapolação da minha parte. É uma verdade. Como eu falei, né? Dei os ministérios pros senhores. O poder de veto. Mudou agora. Tem que mudar, pô. E eu quero, é realmente, é governar o Brasil."
com informações de yahonotícias