quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Vixe: Professor da UFRN também assediava alunas no Ceará, diz coordenadora de curso

| |
 Fotos: Reprodução
O caso do professor Daniel Dantas Lemos ganhou mais um desdobramento. Após repercussão da matéria veiculada, a coordenadora do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Ceará (UFC), Kamila Fernandes, publicou uma série de tweets expondo situações de assédio ocorridas durante o período em que o professor lecionava na instituição cearense.
Daniel é professor de jornalismo na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e atualmente é vice-coordenador do curso. Em janeiro deste ano, ele recebeu uma advertência administrativa como punição por ter baixado as calças na frente de um grupo de estudantes em 2019. No entanto, conforme relatado à reportagem, esse foi apenas um dos episódios de assédio envolvendo o professor.

Segundo a publicação de Kamila no Twitter, Daniel se envolveu em “casos de assédio de alunas, de perseguição, de conversas obscenas. Tudo isso enquanto choramingava pelos cantos que estava longe da família. Assediando e enganando alunas. Repetiu tudo na UFRN, onde só agora recebeu uma punição leve, uma advertência. Porque a classe dos docentes não é unida, mas corporativista. A maioria alivia e muito as condutas inaceitáveis dos colegas, ao minimizar os relatos dos jovens estudantes. Sobretudo quando há teor sexual”, escreveu a jornalista.

Por telefone, Kamila revelou outros acontecimentos. “Depois que ele saiu da UFC, começaram a aparecer relatos. Uma colega professora me contou que ele seduziu uma aluna e depois ficou contando detalhes íntimos da menina, da relação deles. A menina ficou muito mal e queria sumir da faculdade. Ele ia para a balada, os alunos contavam, e ficava grudado no grupo. Não era só ficar perto, era ficar pegando nas meninas”.

Kamila também relatou que o processo de transferência do professor foi longo. “Ele entrou e, pouco tempo depois, em 2013, uma professora da UFRN solicitou transferência para a UFC. Ele também queria fazer a permuta. Daniel era da área de impresso e nós analisamos o currículo da professora, mas ela não se encaixava nessa área. Por isso, o colegiado rejeitou o pedido de troca. Isso foi parar na Justiça Federal e, só então, foi decretada a permuta”, relembrou.
com informações do agorarn.com.br