quinta-feira, 15 de julho de 2021

6ª vítima de um padre denuncia ter sido masturbada numa igreja, em Brasília

| |
Foi aberta uma investigação contra o padre Delson Zacarias dos Santos, 47 anos. Ele é acusado de abuso sexual. São seis as vítimas que denunciaram momentos de terror, vividos durante os ataques do sacerdote. Segundo o relato mais recente, um jovem foi masturbado pelo pároco dentro da igreja, no dia do seu aniversário. As denúncias fizeram a Arquidiocese de Brasília afastá-lo de suas funções.

Em um vídeo cedido pela vítima – que não terá a identidade revelada –, ela revela que o abuso aconteceu dentro da paróquia São Mateus, em Sobradinho, comunidade que Delson Zacarias, comandou entre os anos de 2013 e 2018.

Hoje, o rapaz tem 26 anos, mas, na data do abuso, comemorava o seu aniversário de 18 anos. “Nesse dia, a gente saiu para comer pizza, tinham outros rapazes com a gente”, relembra. Após a comemoração, ele ficou a sós com o líder religioso. “Ficou combinado de o padre me levar para casa.”

“Ele começou a falar do tamanho do pênis de um dos jovens que estava lá, que parecia ser grande, que dava volume na roupa, essas coisas. Perguntou se o meu era como o dele e pediu para ver. Achei muito estranho, fiquei assustado, neguei diversas vezes, mas ele insistiu." conta a vítima. Mesmo com a negativa, o padre prosseguiu e começou a tocá-lo. “Ele colocou a mão no meu pênis e começou a masturbar, querendo ver como ele ficaria, duro.”

Após a sessão de abuso, que durou cerca de 30 minutos, o padre o deixou em casa, pediu desculpas e disse que era a primeira vez que aquilo tinha acontecido.

“Parecia muito estranho pra mim: uma figura de autoridade, alguém que quando a gente se confessa, aponta o que é errado e aí ele pede para ver o meu pênis? Ficou uma confusão na minha cabeça. Desde então, vim me afastando das coisas da igreja, não queria me envolver muito.”

Após a repercussão, o jovem registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), nesta quarta-feira (14), onde o caso é investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

Link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=dN1jx8H4Dq0


Com informações de: umarizalense