sexta-feira, 12 de novembro de 2021

Mulheres protegidas pela Patrulha Maria da Penha recebem cestas de verduras

| |
Mais de 20% das mulheres atendidas pela lei estão em situação de vulnerabilidade - Crédito: Foto: Semdes

As guarnições da Patrulha Maria da Penha da Guarda Municipal do Natal (PMP/GMN) realizaram durante a tarde e noite desta quinta-feira (11), a entrega das primeiras cestas de legumes e verduras às mulheres vítimas de violência doméstica que estão passando por insegurança alimentar. Os alimentos são oriundos de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social (Semdes) e o Sindicato dos Permissionários da Ceasa-RN.

A entrega realizada pelos guardas municipais acontece de casa em casa onde residem as mulheres protegidas pela Patrulha Maria da Penha. Nas cestas vão alimentos frescos como tomate, cebola, cenoura, chuchu, batatinha, entre outros. Cada mulher recebe aproximadamente 8kg de verduras e legumes que serão utilizados na alimentação familiar e reforçam a cesta de alimentos não perecíveis composta de feijão, arroz, cuscuz, e outros que vêm de outra parceria, dessa vez entre a Semdes e Semtas.

A coordenadora da Patrulha Maria da Penha, Michely Oliveira, informou que todas as cestas de alimentos foram entregues contemplando as mulheres nas quatro zonas administrativas da capital. “Essas mulheres são protegidas pela Patrulha devido ameaças de seus companheiros. Muitas ficam numa situação financeira muito difícil, então a Semdes junto com a Coordenação da Patrulha busca parcerias para atender essa necessidade de alimento que é urgente”, comentou.

A ação contemplou mulheres residentes nos bairros Vale Dourado, Pajuçara, Nossa Senhora da Apresentação, Nova Descoberta, Planalto, Leningrado, Felipe Camarão, Nazaré e Lagoa Azul. Dados coletados pela Patrulha Maria da Penha apontam que cerca de 23% das mulheres assistidas pela Patrulha em Natal se encontram em vulnerabilidade alimentar.

Para contar com a proteção da Patrulha Maria da Penha, a vítima deve, no primeiro momento, recorrer à Delegacia de Polícia para prestar queixa da violência sofrida e requerer esse amparo da Patrulha. A solicitação é encaminhada ao Poder Judiciário que analisa e, sendo o caso, determina as medidas protetivas acionando a Coordenação da Patrulha para iniciar os procedimentos.