segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Coordenador de Bolsonaro diz que Foro de São Paulo pode estar envolvido em ataque



    Leonardo Benassatto/Futura Press


Na manhã desta segunda-feira (10), o clima em frente ao hospital Albert Einstein, onde está internado o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), é tranquilo. Não há eleitores do candidato no entorno e o paciente praticamente não tem recebido visitantes em seu quarto dia no hospital.
O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), coordenador de campanha de Bolsonaro, encontrou-se com o presidente do PSL, Gustavo Bebianno, no hospital. Eles discutiram as prioridades: os rumos da campanha e a pressão que têm feito na Polícia Federal para que investigue o que veem como motivação política do ataque ao presidenciável.
"Bolsonaro é insubstituível. Ele é o símbolo que o povo escolheu para a mudança. Não cogitamos uma substituição. Jair Bolsonaro derrubou o seu sangue pelo Brasil, e agora é a nossa vez. Nós vamos para as ruas", disse. "O general Mourão é extraordinário, mas o que temos neste momento é Bolsonaro na UTI."
Segundo Lorenzoni, países que fazem parte do Foro de São Paulo, que envolve agremiações de esquerda, poderiam estar envolvidos nesse ataque, e os coordenadores de campanha vão pressionar a PF para que isso seja investigado.
"Qual é o último atentado a faca no Brasil? Não existe. No Brasil se mata a bala. Isso precisou de treinamento, de suporte, de apoio. O que foi feito em Juiz de Fora não foi ação isolada de uma pessoa desequilibrada. Entrem na internet e vejam em que países se mata a faca", disse Lorenzoni.
com informações de yahoonotícias