segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Paisagista espancada por 4h no RJ acredita ter sido dopada




Reprodução/TV Globo

Elaine Caparroz, paisagista de 55 anos espancada durante quatro horas pelo lutador Vinicius Serra, 27, afirmou que acredita ter sido dopada pelo agressor. Atualmente com 60 pontos na boca, um dente quebrado e inúmeras marcas no corpo, ela afirma ter começado a perder os sentidos após brindar com Vinícius.

“Estava com ele na sala. Brindamos com queijo e vinho e estava tudo ótimo. Em determinado momento da conversa, comecei a perder os sentidos. Era como seu estivesse num plano real do nosso encontro e esse plano real tivesse se transformado em sonho. De repente , mudou a dimensão da realidade para mim. 

Eu perdi a noção, era como se eu estivesse delirando. Ainda lembro dele já no quarto sem camisa, com o braço aberto dizendo para eu deitar no braço dele para dormimos juntos. Eu disse “ok” e perdi os sentidos. Quando acordei, já estava sendo esmurrada por ele. Acho com 99,9% de certeza que fui dopada por ele. Eu não tinha bebido tanto assim para acontecer isso”, afirmou ela.
A paisagista afirma que Vinícius fez questão de preparar ele mesmo a tábua de queijos, sendo também responsável por servir o vinho que eles beberam. Apesar de não saber ao certo o que motivou a tentativa de feminicídio, Elaine afirma que acredita que o agressor se aproximou dela com más intenções.
“Chegamos a marcar em outros lugares e até de ir à praia juntos, mas acabamos cancelando. Ele insistiu muito em vir ao meu apartamento. Disse para ele que não recebia homem no apartamento, mas depois de oito meses de conversa no Instagram, ele ganhou a minha confiança e eu acabei caindo nessa. Durante as quatro horas que fui espancada, ele só dizia para eu calar a boca”, conta Elaine.
A vítima deverá prestar depoimento no 16º DP, na Barra da Tijuca, no Rio, nesta segunda (25). Ela afirmou também que pedirá para a polícia que não encontre Vinicius mais nenhuma vez. Garantiu, no entanto, que apesar disso irá lutar por justiça até o fim.
“Não quero ter que vê-lo novamente. Neste período que fiquei internada tive pesadelos com ele e por mais de uma vez acordei gritando. Vou até ao fim nesta história. Quero Justiça por mim e por todas as mulheres que sofrem agressões no mundo”, concluiu.
com informações de yahoonotícias