quinta-feira, 24 de outubro de 2019

Volkswagen apresenta o novo Golf e se aproxima o fim de uma era

(Arquivo) O Volkswagen e-Golf, exibido no Salão do Automóvel de Los Angeles
A Volkswagen apresenta nesta quinta-feira a nova versão do Golf e confia no sucesso do modelo para financiar a cara mudança do grupo para outra era, a dos carros elétricos e os SUV. A oitava geração do carro, que vendeu mais de 35 milhões de unidades desde 1974, será apresentada durante a tarde na sede da montadora em Wolfsburgo.


Um lançamento mais discreto que o de setembro, quando a empresa apresentou o ID.3, o primeiro modelo completamente elétrico da VW, que simboliza a aposta do grupo de 30 bilhões de euros em veículos com zero emissões.

Também não terá relação com a suntuosa apresentação do modelo anterior do Golf, há mais de sete anos em um museu de Berlim. Desde então, o setor de automóveis e a Volkswagen passaram por muitas mudanças.

O Golf, o segundo grande modelo da Volkswagen depois do Fusca, foi durante décadas um "símbolo do sucesso" da montadora. Agora sua principal missão é "gerar dinheiro", resume Stefan Bratzel, diretor do Centro de Gestão Automotor.

Mas "seria estúpido" suspender a produção do carro e abrir mão da centenas de milhares de vendas (832.000 em 2018, 13% da marca VW) que gera, afirma Ferdinand Dudenhöffer, diretor do Centro de Pesquisas Automotivas (CAR).

O "Golf 8" custará quase 2 bilhões de euros. "O caráter completamente conectado, com assistentes de direção inteligentes, deve garantir seu êxito", afirma Ralf Brandstätter, diretor da marca VW. Mas o desenvolvimento do software foi mais complexo do que o esperado: a VW teve que desistir de instalar várias funções eletrônicas para respeitar os prazos.