sábado, 16 de outubro de 2021

Presidente do Sindicato dos médicos afirma que cirurgia no abdômen se abriu por uso de fios inadequados

| |

 




Leia, na íntegra, a postagem feita numa rede social, neste sábado (16):

"Não é uma praça de guerra, é um dos hospitais de emergências do nosso estado, o Hospital Tarcísio Maia, onde sem divisórias que os resguardem, os pacientes ficam expostos, sem um mínimo de privacidade e respeito à sua dignidade humana. 
É um retrato de hoje, 16 de outubro, que reflete as dificuldades da saúde pública do nosso Estado. Como representante de Entidade Médica, a cada visita de fiscalização que fazemos, recebemos das pessoas o pedido de que continuemos cobrando melhorias. 
Hoje, no Tarcísio Maia, o tomógrafo continuava quebrado, pacientes nos apresentaram exames que tiveram que pagar fora do hospital, um cirurgião nos denunciou que uma cirurgia abdominal abriu por usar fio inadequado, em razão da falta dos que precisava, havia problemas de abastecimento, os terceirizados da limpeza, maqueiros e nutrição estavam com salários atrasados e o programa de cirurgias eletivas do estado estava encaminhando os pacientes de Mossoró para operar em pequenos municípios da região, numa inversão do que seria natural. Onde vamos parar?"